Thursday, March 23, 2006

e quem nos adotará ? isso seria bom pra cachorro e não só



num instante a árvore. noutro, ela, ao sopé. sorrimos e ela escafedeu-se para debaixo dos carros e colou-se a terra como piche na lataria. dali ninguém tirava. e olhe que eu não sou de desistir fácil. insisti, mudei de lado, postei-me à frente, a marcha-fé e nada, no máximo movia-se debaixo de um carro para outro. minha diretora de arte resolveu tentar apesar da mini-saia que a expunha. não por isso ou por causa disso, nunca se sabe, finalmente, a cadela saiu de lá. levamos para dentro da agência.

bolachinha,água,carinho, dúvidas, nome: apple(publicitário não tem jeito mesmo). tão bem tratada não poderia ser de longe. bairro residencial, fugiu, assustou-se, nenhuma explicação. soltamos e ele voltou. na terceira vez desistimos e improvisamos para ela uma residência lá atrás da agência, deixando-lhe como "varanda" a passagem lateral.

a princípio arredia. carinhosa mas arredia, quando não fechando as mandibulas sobre nossas mãos, com maior ou menor força a depender da nossa intensidade. um pedido, uma grita. tinhamos que ir embora. como passará a noite ?

pela manhã, mais cedo do que de costume. lá estava ela, sorridente e já agora solta no jardim(improvisamos um portão na lateral) dando seu pulos e piques que se tornariam característica, adoçada, para ela, pela perseguição implacável as lagartixas, as quais alcançava até no topo do muro que superava muito jogador de basquete. arrancava das paredes ainda vivas, e brincava com elas torturosamente, apesar das nossas inúmeras tentativas frustadas de salvar a vida dos seus briquedos.

apple, deu vida a nossa convivência. a agência que era uma cachorrada só passou a fazer sentido. e tudo graças a uma cadela. agora sim, batíamos vontade de vir para agência e custávamos a sair, muito embora sempre fizessemos isso graças a intermináveis briefings de última hora. mas agora o fazíamos com prazer. e com prazer também montamos a escala de alimentação e passeio do fim de semana. passeio sim, que dávamos todos os dias, mas cuidada ela neste quesito, pela diretora de arte.

mais de uma semana. sabíamos que não podia durar para sempre. eu com meus já quinze cachorros. ela com dois, já sendo quase expulsa do seu apartamento. e apple a nos conquistar impiedosamente, dia a após dia, a ponto de já não irmos mais almoçar para ficar com ela, que agora sim, entrava na hora do almoço e no fim do expediente, para fazer " artes" conosco em plena sala de criação.

já estava conosco há quase três semanas e num passeio a diretora de arte me chega aos prantos. havia achado a casa da apple e o seu antigo dono(nós agora éramos os donos) que simplesmente enxotou-na para a rua sob a alegação de que apple era violenta e endemoniada(sic)e que não a queria mais nem leiautada com outra cor. triste fim de tarde aquele, após um lampejo de alegria, ainda que levemente triste, no caso de ela ser aceita.

não tinha jeito. a agência estava para fechar e tínhamos de dar uma solução. fizemos este cartaz( o melhor trabalho que fizemos na agência, vá lá que seja, o feito com mais ardor) e o circulamos num mail entre conhecidos.

telefonemas sim. e nada de alguëm vir vê-la. é mansa, é bonita, tem carrapato? apple já era um carrapato nas nossas vidas. as vezes chegava a esquecer-me que tinha 15 cachorros de tanto pensar e conviver(ela estava na agência) com a apple.

um dia, um velho conhecido da agência veio fazer um reparo na agência e deu de cara com ela no portão. e mais adiante com o cartaz, que também colamos a entrada. amor a primeira vista? não sei. não dava para entender muito. o senhor que queria levá-la era algo fanho. e não entendemos patavina. mas ele tinha um sorriso largo e seu carinho em apple era convicente, ainda mais que ela o aceitou bem.

em menos de meia hora apple partia em um fusca abarrotado de tralhas, daquele com bagageiro em cima, mas que nunca cabe tudo que leva, apesar de parecer levar o mundo. prometemos que íriamos visitá-la(e fomos) que olharíamos pelas vacinas(não olhamos) e ela se foi.

dias seguintes um vazio tão grande como uma tela de computador sem texto ou leaiute. já fazia mais de uma semana e nenhuma notícia. não fomos ver. não ligamos. ficamos só a sofrer. liga-se, ninguém responde. uma vez, duas vezes, é muita aflição. um telefonema para saber dela e uma resposta finalmente de que ela não estava mais com quem a levou. o homem era meio fanho, santo deus, o que afinal teria acontecido ? e lá fomos nós para bomba do hemetério. periferia do recife, com mais vontade de achar do que conhecimento do caminho. depois de quase hora de sobe e desce morro. dá-mos de cara com ele. tudo bem. apple não se deu com sua mais que pequena pinscher. e ele a entregara para a cunhada. alí mesmo, do outro lado da rua, quase em frente.

casa modesta, terraço-garagem fechado, e um carro precioso para apple se enfiar por baixo. uma leve desconfiança de ambos os lados( a nova dona, talvez por achar que queríamos levá-la - nós só queríamos bem e portanto saber se ela estava bem) e nós se ela estava bem cuidada. nem bem começaram as explicações na base da minha menina é louca por ela, meu marido ainda mais, todo dia passeia com ela, todo orgulhoso, já nem quer saber mais de mim, e apple surge a nossa frente. nos reconhece e fica alegre, mas já não tanto, sinal de que já tinha encontrado sua nova casa.

nunca mais ví a apple. e tenho uma vontade enorme de saber se ela ainda está bem, isto mesmo após quase um ano sem vê-la. mas tinha uma espécie de vergonha de ir lá, mesmo que fosse pra vê-la só de longe. e sinto tanta vergonha por isso, até hoje que estou a milhares de quilômetros dali.

fiquei devendo a apple a última dentada.

2 comments:

Renata said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Renata said...

Não consigo parar de chorar ao relembrar esta história tão intensa que vivemos juntos... esta nossa apple era muito linda, alegrou a nossa vida e deu um sentido do porque estarmos trabalhando naquelas condições péssimas.
Saudades da apple, das lagatixas, dos banhos, dos passeios e principalmente da esperança que ela representava
Finalmente saudade de vc, meu amigo destas empreitadas
bjs diretora de arte (com mini saia)